O Que Aprendo Com o Xadrez Sobre Estratégias de Negócios

Sempre gostei muito do jogo de xadrez. Gosto da exigência intensa de foco e sentir a minha mente identificar movimentos necessários para um xeque-mate, ou simplesmente para me tirar de alguma situação complicada.

Como empreendedor, o que mais me impressiona são as muitas semelhanças existentes entre este jogo fantástico e o mundo dos negócios, principalmente no que se refere à aplicação das estratégias. Embora se possa questionar sobre alguns pontos mais delicados, bem como as exceções às regras gerais, usar o xadrez como uma metáfora, pode ajudar bastante na compreensão de conceitos, organização e gestão de conflitos, entre tantas outras coisas. Neste artigo, compilei alguns pontos que passo a compartilhar com você.

1. Os economistas já comprovaram que a maioria dos seres humanos, por natureza, são avessos ao risco. Isso vale tanto para o jogo quanto para os negócios. Um bom jogador de xadrez só se arrisca quando tem claramente o controle completo da situação. Nos negócios, você deve seguir esta dica o mais fielmente possível. Saber avaliar corretamente o risco da sua estratégia ou tática pode ser a diferença entre o sucesso e bancarrota da sua empresa.

2. Um bom jogador de xadrez sabe que nunca, em hipótese nenhuma, deve desistir! Muitas vezes enfrentamos um tabuleiro complicado, em desvantagem numérica (menos peças em relação ao jogador) e tática. Mas, o xadrez é um jogo onde grandes viradas podem acontecer a qualquer instante, por “n” razões diferentes. O mesmo acontece no mundo dos negócios. Em tempos de incerteza, você deve manter sua posição, à espera de melhores condições econômicas e de mercado. Para essas situações é importante construir um bom provisionamento de caixa, além de dispor de crédito para o caso de uma emergência eventual.

3. Jogadores experientes, ao contrário dos iniciantes, sabem que os peões são a alma do xadrez. Ao analisarmos a estrutura de peões, podemos identificar os momentos certos entre posições fortes, fracas e intermediárias. Nos negócios, você deve saber analisar seu corpo de colaboradores, sejam eles diretos e indiretos, e identificar quais são os melhores, os mais produtivos, os que geram mais lucros, os problemáticos e os mais fracos. Trabalhe nos últimos de forma a fortalecê-los ao mesmo nível dos demais. Os colaboradores, na grande maioria dos casos, estão em contato direto com o produto, clientes e fornecedores e muitas vezes têm a melhor visão sobre vários tipos de problemas e possíveis soluções. Colaboradores bem treinados e bem remunerados são a alma de grandes negócios.

4. No xadrez, todos têm pontos fracos. Mesmo o mais forte adversário tem pontos fracos que podem ser explorados, e um adversário mais fraco pode vencê-lo se estiver confiante além da medida, ou deixar de prestar atenção nas suas vulnerabilidades. Esteja atento às deficiências pessoais ou de seu negócio. Observe o que a sua concorrência faz melhor que você. Aprenda com seus erros e supere as suas falhas, caso contrário, concorrentes aparentemente mais fracos poderão tomar o seu mercado ou clientes sem que você perceba.

5. Dependendo da sua posição ou do momento do jogo, um peão pode ser mais valioso do que uma rainha. Apenas jogadores novatos valorizam peças utilizando o sistema de pontuação tradicional. Já tive a oportunidade de testemunhar grandes empresas darem ênfase exagerada aos níveis superiores da organização. Quão importante é o serviço de atendimento ao cliente quando se está recebendo uma reclamação em comparação com o CEO no mesmo momento? Um representante de vendas poderia ser mais importante do que qualquer outro na empresa quando se trata de fechar um negócio; um funcionário da linha de montagem a pessoa mais importante quando surge um problema de qualidade. A importância é relativa à situação e ao momento.

6. Muitas pessoas têm medo de perder, por isso, preferem não jogar. Ao invés de agir assim ou jogar como um covarde faça de tudo para ganhar cada partida. Henry Ford disse: “Se você pensa que pode, ou se pensa que não pode, de toda forma você está certo”. Acreditar em si mesmo, na sua ideia, capacidades e motivação é requisito essencial a qualquer empreendedor. Sem essas qualidades é um pouco mais difícil fazer com que as coisas aconteçam.

7. Escolha uma estratégia global e permaneça. Não recue ao primeiro sinal contrário ao que esperava. Você deve ter táticas preparadas para esses pequenos contratempos. Mesmo os melhores estrategistas experimentam perdas, pois faz parte do xadrez e dos negócios. Em momentos de turbulência as perdas geralmente aumentam a aversão ao risco. E ser exageradamente avesso a ele pode leva-lo a jogar a toalha precipitadamente, antes mesmo de dar tempo para que a estratégia geral funcione. Thomas Edison disse que “muitos dos fracassos da vida acontecem porque as pessoas não percebem o quão perto elas estavam do sucesso, quando desistiram”.

8. Não tente memorizar todos os movimentos. Nenhum enxadrista faz isso, simplesmente por ser impossível. Você deve trabalhar duro nas questões básicas do seu negócio, e assim, você vai ter sucesso muito mais vezes do que pensa. Os problemas mais recentes da economia devem ser suficientes para provar que, mesmo os veteranos mais experientes estão sujeitos a serem pegos de surpresa. Não há nenhuma maneira, no xadrez, ou nos negócios, de se preparar para todas as situações, pois elas são praticamente infinitas. Você deve, porém, se preparar para as probabilidades mais latentes, segundo a sua experiência e o momento exigir. Pense algo de forma geral como “o que eu faria se as condições previstas fossem diferentes do esperado?”. Tenha seu foco em táticas básicas como satisfação do cliente, controle de custos e motivação dos colaboradores.

9. No xadrez é extremamente importante desenvolver todas as suas forças, sem exceção. A maneira correta de se jogar é fazer com que todas as peças trabalhem em equipe, como se fossem uma só. Cada colaborador tem pontos fortes e fracos. Saber envolver todos os colaboradores e departamentos numa só visão e objetivo é fundamental nos dias de hoje. Elimine todas as falhas de comunicação, internas, externas e com clientes.

10. O propósito da estratégia no xadrez é criar uma diferença (ou uma série de diferenças) em posições respectivas e, então, desenvolver seus exércitos em torno dessas posições. Isso é uma questão de bom senso num mundo cada vez mais competitivo. Identificar o que torna o seu produto ou serviço diferente, proporciona vantagens competitivas fundamentais para o sucesso. Faça isso primeiro, e depois, desenvolva as capacitações necessárias nos seus colaboradores que melhor explorem as suas vantagens.

Existem muitas outras semelhanças entre o xadrez e os negócios. Ambos requerem prática, equilíbrio entre habilidade emocional e mental para o sucesso. Seguir as orientações acima certamente vai lhe proporcionar resultados positivos. Você está preparado para ver o jogo de outra maneira?

Você vai gostar também:

Sucesso!

–x–

Se você acompanha e gosta dos nossos artigos, considere compartilha-los nas redes sociais!

Cláudio Corgozinho

Advogado, Conferencista Internacional, Facilitador em Treinamentos Empresariais, Empresário, Escritor, Life, Executive & Professional Coach, Problogger, idealizador do Mais Dinheiro No Seu Bolso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *