Negócio On-Line

Negócio On-Line: Quais são os 9 Principais Erros Ao Iniciar

A maioria dos novos empreendedores quer saber quais são os erros mais comuns ao iniciar um negócio on-line, para que possam evitá-los.

Veteranos gostam de falar sobre certos atalhos que eles gostariam de ter conhecido alguns anos mais cedo. Costumam dizer que se soubessem no início das suas carreiras de alguns segredos que conhecem hoje, certamente estariam muito mais longe.

Este é um tema de grande interesse nas minhas palestras e seminários. Já falei sobre esse assunto uma infinidade de vezes. “Se fosse recomeçar hoje, o que faria diferente?”; “Quais erros precisam ser evitados?”; “O que funciona de verdade?”. Esses são alguns dos principais questionamentos.

Tendo em vista tal interesse, resolvi escrever este artigo para resumir todos os 9 principais erros que você deve evitar ao começar um negócio online. Vamos lá!

1. Esperar o “momento certo” ou tempo demais para lançar um produto ou serviço.

Ao criar artigos, videos ou podcasting para um blog é muito fácil ficar preso na elaboração de conteúdo gratuito para ser reconhecido como autoridade em determinado nicho.

Porém, se você não ficar esperto, isso pode acontecer por meses e até anos, e faz você se esquecer completamente de criar algo para vender.

Produtos gratuitos são muito bons para construir sua presença online, mas péssimos para as suas finanças.

Por outro lado, alguns empreendedores esperam por um determinado índice de audiência, como 1.000 visitas/dia ou 5.000 contatos de email.

Todas essas coisas representam um tremendo atraso para o seu negócio on-line. E costumo dizer que tempo é o único recurso que você nunca será capaz de recuperar. E o mais caro dos recursos que você pode dispor. Uma vez perdido, perdido para sempre.

Algumas pessoas simplesmente procrastinam a criação de um produto por baixa auto-estima, que se traduz no medo de falhar. Têm verdadeiro pavor de que ninguém vai realmente querer comprá-lo. Por isso se recusam a dedicar tempo e esforço em um projeto “que não vai dar em nada”.

Qualquer que seja a razão, esta é uma armadilha fatal.

Se você está a construir um negócio on-line, precisa resolver logo essa questão da procrastinação, seja de cunho emocional, seja de cunho psicológico. Se não se policiar, você será a principal barreira entre o ponto inicial e o sucesso que deseja alcançar.

Além disso, você precisa de prática e conhecimento para a construção e lançamento de produtos de qualidade. Seu primeiro produto muito provavelmente não será o melhor que você irá lançar na sua carreira. Por isso, quanto mais cedo você colocar algo no mercado, mais perto estará de criar uma receita contínua e sustentável.

2. Se colocar a resolver problemas sem importância.

Se o problema que você se dispôs a resolver por meio do seu negócio for suficientemente relevante, não terá que se preocupar com a clientela. Imagine se você descobre a cura para o câncer, por exemplo.

A maioria dos empreendedores on-line falham porque tentam resolver problemas sem nenhuma importância ou porque estão apenas a imitar produtos concorrentes no mercado que fazem muito sucesso.

A minha dica de US$10.000 aqui é: não vá por esse caminho. E se tiver de investir seu tempo em alguma coisa, que seja na atenta pesquisa das necessidades do mercado que você representa. Nesse particular, você encontrará informações preciosas no meu livro “Abandone a Zona de Conforto“.

3. Não dar a devida importância às reivindicações dos seus potenciais clientes.

Esta é a maneira infalível para perder clientes ao longo do tempo.

Qual a melhor forma de descobrir se o problema que você se propôs a resolver é importante o suficiente? Simples, apenas ouça o que o seu público tem a dizer. Não é simplesmente ouvi-lo, mas dar total atenção e solucionar as suas insatisfações. O seu cliente deve ser, antes de tudo, um grande fã do seu trabalho. E você consegue isso quando vai além das suas expectativas.

Não basta ouvir os clientes que compram os seus produtos, mas principalmente os que não compram. Afinal de contas, por qual motivo não compram? O que está abaixo das suas expectativas? Quais são as reclamações e o que você deve fazer para reduzi-las ou eliminá-las?

Como descobrir isso? Apenas pergunte. Faça um excelente acompanhamento pós-venda, aceite devoluções sem qualquer restrição e pergunte o motivo para alimentar estatísticas e melhorias do produto. Seus clientes serão seu melhor termômetro e terão satisfação em ajudá-lo a melhorar o seu trabalho.

Quer um exemplo atual de um excelente atendimento ao cliente? Amazon. Você já experimentou comprar qualquer produto da Amazon? E o excepcional prazo de entrega? Não há como não ser fã desta empresa, porque tudo que os seus colaboradores fazem visam a total satisfação dos clientes.

Para você ter uma ideia, recentemente entrei no site da Amazon do Brasil porque queria muito comprar um livro, mas o meu cartão de crédito não era aceito entre as opções de pagamento.

Entrei em contato com a empresa, que me retornou a ligação em incríveis 30 segundos após a minha solicitação.

Sério, não demorou mais que isso. Fui atendido por um porto-riquenho muito atencioso e que falava o português com total fluência.

Expliquei a situação e o atendente me pediu para aguardar na linha. Poucos segundos depois, ele informou que após consultar o meu cadastro e histórico de compras (que por sinal era excelente), o livro que eu desejava me seria ofertado gratuitamente pela Amazon, como agradecimento pela minha fidelidade, e por não ser minha culpa não conseguir efetuar o pagamento.

Qual reação você acha que eu tive diante dessa fantástica postura da empresa? Não pelo preço do livro, que era barato. Mas pela preocupação da Amazon em realizar o meu desejo em ter o livro, de me fornecer um serviço de excelência, sem igual no mercado.

É justamente isso que você precisa aprender a fazer no seu negócio. Abrir algumas exceções a favor da satisfação dos seus clientes vai transformá-los em fãs incondicionais. E isso fará um bem enorme para os seus negócios a longo prazo.

Lembre-se: há uma boa razão para o ditado “o cliente tem sempre razão”. É que sem ele, você simplesmente não tem negócio.

4. Não inove. Apenas copie o que a concorrência faz.

Na maioria dos mercados os clientes têm várias opções de produtos para escolher. Nos negócios on-line é a mesma coisa. Se existe concorrência para os seus produtos ou serviços, você tem que oferecer aos seus clientes razões extras para que escolham a sua oferta em detrimento às demais.

A falta de inovação é uma marca recorrente em vários produtos lançados hoje em dia no mercado digital. Eu vejo isso o tempo todo. Cópias baratas uns dos outros. Poucos são os lançamentos com qualidade, como é o caso do Demolição Digital, do Anderson Chipack. Aliás, o Anderson é um dos poucos profissionais que realmente fazem a diferença no Marketing Digital brasileiro.

Você tem que tirar da cabeça o pensamento medíocre: “se tal produto faz sucesso para fulano, vou fazer um igual e ter sucesso também”. Você vai se queimar e seu produto será um fracasso. Não será com atitudes assim que você vai construir um negócio ou produto de valor, que se perpetuará ao longo do tempo.

Para superar esta armadilha, você precisa encarar o seu negócio sob a perspectiva do seu cliente.

Quando alguém encontrar o seu blog, vai se perguntar inconscientemente: “por que vale a pena gastar tempo neste lugar?”. Você precisa responder a essa questão de forma rápida e clara, antes que ele clique no botão de “volta”.

Você não pode esperar crescimento para o seu negócio se é apenas uma versão inferior de algum outro site mais conhecido. E mesmo que o seu site ou produto sejam melhores do que a concorrência, a questão do “ser melhor” é muito subjetiva. Hoje é melhor. Amanhã, quem sabe?

Em vez de simplesmente tentar ser melhor, você precisa ser diferente. Reside aqui o verdadeiro segredo do sucesso.

Então, quando alguém se perguntar por que vale a pena investir tempo/dinheiro no seu site ou produto, a resposta será objetiva e de fácil compreensão.

5. Escolher um tema ou nicho desinteressante ou de difícil conversão.

Não importa o seu nível de profissionalismo e conhecimento sobre o nicho com o qual se propôs a trabalhar. Se ele não atrair o interesse das pessoas, ou se os produtos forem irrelevantes, você perderá o seu precioso tempo.

Em outras palavras, se trabalhar em bons nichos e com grande audiência exige muita criatividade e resistência inabalável, imagine o que acontece se seu trabalho não chama a atenção de ninguém?

Por isso, fico especialmente preocupado quando ouço pessoas influentes a dizer que a única coisa com a qual você deve se preocupar é escolher um nicho pelo qual seja apaixonado. Será isso realmente o mais importante a se considerar quando se está a iniciar um negócio?

Há que se definir dois cenários distintos: um em que você vai criar um blog ou site por amor ou paixão ao tema, sem se importar em nada com o dinheiro. Tudo que fizer será apenas para se divertir e compartilhar gratuitamente com quem tiver os mesmos interesses que você. Tudo que vier é lucro. Neste caso é claro que o dinheiro não importa, porque havendo ou não audiência, você continuará a manter o seu blog. Neste caso, não estamos a tratar de um negócio e sim de um hobbie.

Outro cenário é querer efetivamente ganhar dinheiro na internet. Neste caso, sempre digo que se você conseguir fazer algo que realmente gosta e ganhar dinheiro com isso, certamente você estará no melhor dos mundos. Sem dúvida é o cenário ideal.

Mas, há que se considerar também que se a sua paixão não vai trazer audiência e dinheiro para o seu bolso é melhor repensar o nicho do seu negócio on-line.

Por outro lado, não vale a pena trabalhar com a mente focada apenas no dinheiro. Se for assim, você certamente falhará.

Portanto, o ideal é você procurar um nicho que lhe traga satisfação pessoal (não necessariamente amor ou paixão), gere audiência e que seja carente na solução de pelo menos dois ou três grandes problemas.

6. Começar com expectativas muito altas.

Ter um negócio on-line nunca foi fácil, muito menos agora, onde a concorrência está cada vez maior (o que não significa mais qualificada ou com melhores produtos). Significa que existem mais pessoas tentando “vender o seu peixe”, e muitas vezes, ainda que seja um peixe podre, existem várias técnicas que deixam esse peixe com uma aparência saudável e deliciosa (que realmente dá água na boca!). Consequentemente, por melhor que seja o seu trabalho levará certo tempo até conquistar o seu espaço.

O problema é que existem muitos profissionais que vendem a ilusão de que ter tráfego é algo relativamente simples. E muito tráfego na internet significa grande potencial de conversão (ou seja, dinheiro).

Tive a oportunidade de assistir alguns desses profissionais a falar sobre o assunto, e sinceramente não sei como existem pessoas que pensam que simplesmente por mudar a barra lateral da direita para a esquerda produzirá um aumento de 30% no número de visitantes. Isso, sem falar em outras coisas totalmente irracionais, que não condizem com a realidade. E mesmo assim, esses gurus vendem absurdamente (pelo menos dizem vender).

É a velha história onde espertalhões querem “cortar” caminho a todo custo (inclusive sendo o pato da vez). E isso não existe. E cegos pelas promessas de milhares de visitas em poucos meses (e também por ganância, claro), acabam por perder dinheiro nesses investimentos furados, verdadeiros “Contos da Carochinha”.

Por isso, a melhor dica que posso te dar é: seja realista. Não compre gato por lebre, porque se fizer isso, você vai jogar dinheiro fora.

Todo negócio sólido leva tempo para ser construído. E consome recursos financeiros também. Por isso, suas expectativas devem ser sempre realistas para cada investimento que fizer.

Construir um negócio on-line bem sucedido e sustentável vai exigir muito esforço da sua parte. Você provavelmente não conseguirá fazê-lo durante uma viagem ao redor do mundo, a menos que seu pai seja rico e que esteja disposto a bancar as suas aventuras empreendedoras e turísticas ao mesmo tempo.

Por isso, se você é como a maioria das pessoas que vivem no mundo real, com contas para pagar todos os meses, construir seu negócio será lento. Afinal de contas, as suas responsabilidades e obrigações mensais não vão permitir “despedir o seu patrão de uma hora para outra”. É claro que não!

Veja bem, eu não disse que será impossível, mas que você tem que se manter com os pés no chão o tempo todo, e superar o cansaço para trabalhar no seu negócio on-line nas horas de folga e finais de semana. Iludir a si mesmo e pensar que será diferente é um risco que não vale a pena correr. E se por acaso eu estiver errado e as coisas acontecerem de forma contrária, ou seja, se seu negócio decolar rápido (em um ano ou menos), a surpresa será sempre positiva, nunca o contrário.

Se o seu plano envolve semanas de apenas 4 horas de trabalho, você tem grandes chances de falhar.

Estas são as verdades duras que os atuais especialistas raramente falam. Sucessos que acontecem da noite para o dia não existem. Se este é o seu plano original, provavelmente, terá de ser completamente reescrito, talvez várias vezes.

Pergunte a si mesmo: vai querer seguir em frente com este negócio ainda que leve anos de investimento (tempo e dinheiro investido em bons cursos) até chegar no ponto que deseja? E se a construção do seu negócio on-line for mais difícil e estressante do que o seu trabalho atual? Qual o preço você está disposto a pagar?

Converse com alguns empreendedores que conseguiram algo perto do que você deseja alcançar, mas que não tenham interesse em te vender absolutamente nada. Pergunte a eles o que realmente os fez chegar aonde chegaram, e quanto tempo levou.

Pergunte-lhes sobre o estresse e cronogramas não cumpridos. Pergunte quantas vezes pensaram em desistir pelo caminho. Peça-lhes para serem absolutamente sinceros. Então, pergunte-se se você está preparado para viver a sua própria versão de toda essa história.

A sua disposição para enfrentar cenários pessimistas dirá se você terá ou não sucesso ao longo do caminho.

7. Passar muito tempo a pensar, e pouco a executar.

Não há muito a dizer neste tópico que não esteja perfeitamente resumido nesta frase: o sucesso é um por cento de inspiração e noventa e nove por cento de transpiração.

Portanto, se você tentar inverter esta lei do sucesso, você está a seguir pelo caminho errado.

Como na grande maioria dos negócios on-line, você certamente terá que executar tudo no seu empreendimento, pelo menos no começo. Porque muito provavelmente ele começa e termina em você. Você será o cara que limpa o “escritrório”, programa as linhas de código, configura instalações de plugins, vende a ideia/produto/serviço, e ainda ter tempo para ser o diretor executivo da sua empresa.

Se não tiver dinheiro para pagar outros profissionais e não estiver disposto a colocar a mão na massa, ter um negócio online talvez não seja a melhor opção para você.

8. Se isolar dos demais empreendedores.

A única razão pela qual o meu negócio existe hoje é porque eu me inspirei e servi de inspiração para outros amigos empreendedores. Sério, eu tentei jogar a toalha várias vezes, mas eles não deixaram que eu fizesse isso.

Isso parece contradizer o que eu disse no tópico anterior, mas enquanto no tópico 7 eu falo que você é toda a sua empresa, aqui estou a falar que você deve manter uma rede de contatos com outras pessoas que tenham o mesmo desejo de vencer que você tem.

Se afastar de outros empreendedores porque pensa que eles vão roubar as suas ideias é ingenuidade. Se as suas ideias forem dignas de serem “roubadas”, elas serão, seja por pessoas próximas ou concorrentes distantes, mais cedo ou mais tarde. Mas a sua marca pessoal é o seu maior diferencial. A sua marca pessoal é que fará a diferença entre o seu produto e o dos seus concorrentes. A sua capacidade de se reciclar, recontar a sua história, reinventar os seus produtos e serviços, fazer hoje melhor do que ontem é que garantirá o seu espaço no mercado. Se isolar de outros empreendedores fará muito mal aos negócios, porque você ficará obsoleto em pouco tempo.

Por outro lado, quanto mais se relacionar, maiores serão as chances de conhecer novas pessoas, ter acesso a grandes ideias, oportunidades, estabelecer as melhores parcerias e fechar os melhores negócios.

E o mais importante é que você vai precisar do apoio de outros empreendedores que estão em estágios semelhantes ao seu, e de pessoas com mais experiência. E você poderá ajudar outros menos experientes a fim de que evitem as pedras que o levaram a tropeçar pelo caminho. Essa rede de relacionamentos permitirá que todos ganhem. E quando todos ganham, o jogo fica muito mais divertido.

Quanto mais você se torna conectado a outros empreendedores, mais forte se sentirá para superar os desafios. Maiores serão as suas chances de sucesso.

Ter pessoas com quem se aconselhar e trocar ideias é algo que não tem preço, e você se sentirá eternamente grato por elas existirem. E outras pessoas que você ajudar terão o mesmo sentimento por você. Este elo é construído sobre o fundamento da confiança e ter pessoas com quem contar deixa qualquer um bastante confortável, seja qual for a situação.

Por tudo isso, aprenda a compartilhar as suas lutas e objetivos com outros empreendedores. Reveja seu progresso a cada semana, peça conselhos, aconselhe. Você não faz ideia de quanto ganhará com este simples processo.

9. Confundir um “blog” com um negócio on-line.

Repita comigo: um blog não é um negócio. De fato, um blog não é um negócio.

Um blog é uma plataforma incrível para partilhar as suas ideias, conectar-se com as pessoas, construir uma audiência em torno de uma marca.

O mesmo se pode dizer de qualquer plataforma onde você compartilhe conteúdo gratuito. Mas, não é nada mais que isso.

Todos os meus blogs servem apenas para me dar visibilidade. Apesar de ganhar um bom dinheiro com eles, não são, nem tenho pretensão que se tornem minha principal fonte de renda, meu “negócio”. Principalmente pelo fato de que o Google é “quem” realmente controla os resultados de quem aparece “por cima” ou “por baixo” nos resultados das pesquisas. E você não pode dizer que tem um negócio se não tem total controle sobre ele. E ficar refém do humor do Google é péssimo para qualquer um. E quando digo Google, incluo também as redes sociais. Enfim, se você não está a ditar as regras, certamente está refém do sistema. E isso é muito perigoso para qualquer negócio.

Ao prover conteúdo gratuito por meio de qualquer plataforma, você não faz dinheiro, e por isso, não pode dizer que tem um negócio. É uma ferramenta para a construção de influência e captura de contatos. Mas não conte com essa ferramenta para transformar influência em dinheiro da noite para o dia. Você vai precisar de um plano mais funcional para gerar receita com os seus canais de informação gratuita.

Ter um blog sem um produto seu para expor é a mesma coisa que ter absolutamente nada (é oportuno que refaça a leitura do primeiro tópico desta lista, acima).

Bem, esta é a minha lista, baseada no que ouço e vejo no mundo dos empreendedores digitais todos os dias.

E você, o que pensa? O que gostaria de acrescentar/modificar nesta lista?

Qual é a lista de ações que você gostaria de ter feito de forma diferente?

Que erros você identifica nos novos empreendedores?

Compartilhe seus pensamentos nos comentários abaixo. Certamente você vai ajudar alguém a evitar um grande erro. E se você acha que esta lista é útil, compartilhe-a nas redes sociais!

E se quer boas ideias para se transformar no seu próprio negócio, você precisa ler meu livro Abandone a Zona de Conforto: Aproveite as Oportunidades, Seja Próspero, Livre e Feliz!

Sucesso!

Cláudio Corgozinho

Advogado, Conferencista Internacional, Facilitador em Treinamentos Empresariais, Empresário, Escritor, Life, Executive & Professional Coach, Problogger, idealizador do Mais Dinheiro No Seu Bolso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *