Lições de Negócios Que Aprendi Com Bill Gates

Penso que se desejo aprender algo devo procurar alguém especializado sobre o assunto para ser meu mentor. Tudo que essa pessoa disser deve ser cuidadosamente anotado e estudado. É óbvio que se vou investir o que tenho de mais precioso nesta vida (meu tempo!) no aprendizado, tenho que encontrar a pessoa certa, alguém que tenha sucesso e seja referência indiscutível como autoridade sobre o assunto. Penso que se decidi aprender, tenho que me espelhar nos melhores. Por isso, compartilho hoje algumas lições de negócios que aprendi com Bill Gates.

Quanto à autoridade de Gates para os negócios, penso não ser necessário dizer muita coisa. O nome fala por si mesmo. Fundador e CEO da Microsoft por anos criou a empresa do nada, de dentro de uma garagem, a partir de uma ideia revolucionária. Inteligência, uma capacidade nata para negociação, vontade de vencer e uma tremenda “cara de pau” para se sentar com “tubarões” empresariais e se dar bem sobre todos (a esse respeito, leia Estratégias Para Uma Negociação de Sucesso). É o tipo de personalidade que se ama ou se odeia, mas é respeitada por todos.

Hoje, Bill Gates já não detém a coroa do homem mais rico do mundo, mas ainda vale a bagatela de algo em torno dos 60 bilhões de dólares. Certamente, tenho muito a aprender com esse “nerd”!

Bill Gates fez o “desatino” de abandonar Harvard, em 1974. Entre terminar seus estudos formais e se dedicar inteiramente ao seu sonho, escolheu a segunda opção. Digo “desatino” porque pouquíssimas pessoas em seu juízo perfeito deixariam uma das mais conceituadas universidades do mundo por causa de algo tão abstrato. Ele não queria um emprego, desejava ser o empregador; não se limitaria a trabalhar 8 ou 9 horas por dia, trabalharia a quantidade de horas necessárias até alcançar os resultados desejados.

A respeito dessas qualidades notáveis, sugiro a leitura dos artigos:

Em I975, ele co-fundou a Microsoft – uma empresa de software que acabaria por tornar Gates o mega empresário da revolução digital. Ele ganhou dinheiro basicamente por tornar possível às pessoas comuns o acesso aos computadores pessoais, inaugurando uma nova era de acesso ao conhecimento e evolução para a humanidade.

Ele se aposentou do seu cargo CEO na Microsoft, e agora se dedica em tempo integral à filantropia através da sua própria fundação. Abaixo, compilamos 10 lições de negócios a partir da vida empresarial de Bill Gates. Divirta-se!

1 – Tenha sorte!                                            

Bill Gates é um homem muito inteligente, mas ele sempre foi beneficiado com uma boa dose de sorte em seus negócios.

Em 1968, Gates era um aluno do oitavo ano, que frequentava uma escola privada em Seattle, chamada Lakeside. Naquele ano, a escola investiu US$3.000,00 em um computador considerado o “estado da arte” na época.

Com 13 anos, Gates aderiu ao clube de computador e ficou completamente apaixonado pela máquina. Ele e um punhado de outros estudantes entusiasmados acumularam horas e horas naquele computador, e aprenderam a programar por tentativa e erro. Era o começo de uma jornada que iria impulsionar Gates para um sucesso astronômico.

Neste momento, a sorte sorri para Gates pela primeira vez. Hoje é bastante comum as escolas terem sua sala de informática, mas na década de 1960, pouquíssimas eram as faculdades com recursos para manter laboratórios para os alunos, e uma escola primária com um computador era algo inédito. As chances de um garoto de 13 anos ter acesso a um computador eram mínimas, quase uma loteria.

Se Lakeside não tivesse comprado aquele computador, o jovem Bill talvez nunca tivesse descoberto o seu amor pelos computadores, e assim, a Microsoft nunca teria nascido.

A 1ª lição é: qualquer um pode ser bem sucedido na vida, mas estar no lugar certo, na hora certa, faz a diferença!

2 – A sorte é apenas mais um elemento na equação.

Bill Gates teve muita sorte quando aquele computador chegou na sua escola, mas isso não teria significado algum se ele não tivesse se dedicado totalmente para dominá-lo.

Em última análise, foram as milhares de horas de estudo e trabalho focado que fizeram de Gates o gênio necessário para dar início a uma bem sucedida empresa de software.

A 2ª lição é: dedique-se ao extremo em tudo que fizer. Qualifique-se e trabalhe duro no seu desenvolvimento pessoal. Vai começar a perceber que quanto mais se dedicar aos seus negócios, mais “sorte” terá. Leia o artigo O Fator Sorte Nos Negócios.

3 – Arrisque-se!

A grande oportunidade da Microsoft veio quando Bill Gates tentou algo realmente ousado.

No início de 1975, Gates e seu grande amigo, Paul Allen, procuravam uma forma de transformar seu hobby com os computadores em um negócio.

Gates então procurou uma empresa de informática chamada MITS e disse que eles (Gates e Allen) tinham desenvolvido um interpretador BASIC (uma linguagem de programação) para o seu microcomputador, o Altair 8800. A MITS se interessou em ver uma demonstração do software. Mas isso era um problema, já que o software prometido não existia. Mas isso não os intimidou. Gates e Allen desenvolveram o interpredor rapidamente e então fizeram a apresentação. Os donos da MITS gostaram do que viram e o negócio foi fechado. Isso fez com que em abril de 1975 a Microsoft fosse oficialmente fundada, um mês depois da primeira grande negociação de sucesso do jovem Bill.

A 3ª lição é: encare os desafios do seu negócio, mas jamais ofereça algo que é incapaz de entregar. Oferecer algo simples ou comum gera uma remuneração baixa. Oferecer algo inédito traz grandes quantias de dinheiro para o seu bolso.

4 – Nunca abra mão da qualidade.

Como a Microsoft cresceu rapidamente, passou a contratar mais e mais programadores. Gates havia assumido o papel de CEO e seu trabalho não estava mais ligado à codificação. Mas isso não o impedia de rever cada projeto e programar quando possível.

Os olhos afiados de Bill Gates garantiram que a Microsoft sempre mantivesse produtos de qualidade no mercado. Não obstante as falhas de software e segurança, naturais nesta área de desenvolvimento, os programas e sistemas vendiam cada vez mais, graças às inovações e facilidade de cada nova versão. Quanto mais fácil e funcional fosse o produto, mais pessoas atingiria, de forma a garantir o domínio no mercado interno e internacional.

A 4ª lição é: por mais que cresça o seu negócio, esteja sempre atento às atividades de cada setor da empresa. Tenha controle sobre cada departamento e o que estão fazendo. Todo empresário de sucesso conhece detalhadamente as particularidades do seu negócio. E se for preciso é capaz de treinar pessoalmente os colaboradores para garantir a qualidade e uso do seu produto ou serviço.

5 – Ideias revolucionárias são exibidas, não faladas.

No começo da Microsoft, as telas dos computadores exibiam apenas texto. E por um bom tempo esse texto era apenas verde. Percebendo uma grande oportunidade, no início dos anos 80, Bill Gates e Steve Ballmer viajavam por todos os Estados Unidos oferecendo seminários sobre como as interfaces gráficas seriam os sistemas operacionais do futuro. Ninguém acreditava neles.

Os “especialistas” da época disseram aos “garotos” da Microsoft que as interfaces gráficas eram muito lentas e que era difícil escrever software para elas. O mercado estava bastante frio para a proposta quando a Microsoft anunciou em 1983 que estava desenvolvendo o Windows. Mas as atitudes mudaram rapidamente em 1984, quando a Apple lançou o Macintosh, tornando-se o primeiro computador comercial bem sucedido, com uma interface gráfica que substituía a linha de comando.

De repente, era óbvio para toda a indústria que a onda das janelas, ícones, menus, mouse e um ponteiro era a única opção inteligente. Dentro de poucos anos, o mercado foi inundado com softwares gráficos. Exemplos notáveis ​​incluem o Amiga Workbench, Deskmate, e claro, o Microsoft Windows.

A 5ª lição é: não se preocupe com a resistência das pessoas que não entendem a sua ideia revolucionária. Trabalhe nela até estar preparado para oferecê-la ao mercado.

Novidades causam estranheza e resistência no começo. Isso é normal. Continue a trabalhar em seu projeto até que ele fique completamente funcional. Resista à tentação de lançá-lo no mercado antes de estar acabado.

6 – A determinação é a chave do sucesso.

O lucro oferecido pelo Windows 1.0 lançado em 1985 não era algo muito entusiasmante. A segunda versão em 1987 não saiu muito melhor, mas a Microsoft (Bill Gates) não desacreditou da sua ideia, até que entre 1990 e 1992, com o lançamento do Windows 3.0, a empresa conseguiu vender 10 milhões de cópias. A partir daí, encontrou o modelo de negócio que a transformaria na gigante do software.

A 6ª lição é: uma grande vitória exige determinação ainda maior. Apenas pessoas focadas e perseverantes realizam sonhos. Faça e refaça seus planos, até acertar a “receita” do bolo.

7 – Compartilhe sua visão com a equipe.

Assim como Bill Gates viu o advento dos anos de interface gráfica com antecedência, ele previu a preeminência da Internet muito antes de qualquer um ter uma conexão dial-up razoável.

Em maio de 1995, Gates estava tão convencido de que a Internet era o futuro da Microsoft, que se sentiu compelido a escrever um longo memorando para a sua empresa. Nesse documento, concluiu: “A Internet é um maremoto. Ela muda as regras. É uma oportunidade fantástica, bem com um desafio ainda maior. Eu olho para frente e aguardo a sua opinião sobre como podemos melhorar a nossa estratégia para continuarmos juntos nesta incrível trajetória de sucesso.”

Gates, concluiu o memorando de uma forma magistral. Ele reconheceu a importância de envolver seus colaboradores no projeto da empresa. O resultado: junto com o Windows 95 foi agregado o Internet Explorer. Ponto extra marcado!

A 7ª lição é: ninguém chega muito longe sozinho. Seus negócios nunca prosperarão enquanto for egoísta e não compartilhar seu sucesso. Muitas pessoas juntas, com uma única visão, um único propósito são muito mais fortes e inteligentes em qualquer situação. Faça com que os seus sonhos sejam os sonhos dos seus colaboradores e você conquistará o mundo!

8 – O marketing deve ser simples.

As pessoas não compram um produto porque ele vem em uma caixa bonita ou um preço baixo. Elas compram porque têm um problema e estão convencidas de que o produto vai resolvê-lo.

A parte mais difícil sobre o marketing não é decidir sobre o slogan correto. É apresentar de forma convincente uma grande solução para um problema real. Se você pode demonstrar a solução, a comercialização é bastante natural. Se você mostrar às pessoas que pode resolver seus problemas, elas ficarão motivadas a pagar o preço que pedir.

A 8ª lição é: em qualquer situação pare de se perguntar sobre o “por que de um problema”. Esta resposta não fará você ganhar dinheiro. A pergunta correta é: “como posso solucionar isso para as pessoas?”. Trabalhe seu marketing em torno dessa situação e fique rico! A propósito, leia os artigos O Marketing e o Sucesso do Seu Negócio e O Poder do Marketing Pessoal.

9 – Quebre seus paradigmas: o sucesso não pode te ensinar muitas coisas. O segredo da aprendizagem está nos fracassos.

Parece óbvio que devemos refletir sobre nossos sucessos e aprender com eles. O consenso geral afirma isso. Mas, na verdade, o sucesso não nos diz muita coisa. Já os fracassos, os tombos, as falhas, esses sim, têm preciosas lições a nos ensinar.

Bill Gates argumenta que o sucesso pode realmente ofuscar a nossa visão, e frequentemente leva pessoas inexperientes a uma confiança excessiva, de forma a contribuir negativamente para os novos desafios que o futuro nos reserva.

O sucesso é um péssimo professor. Ele seduz pessoas inteligentes a pensar que são infalíveis, e isso é uma grande mentira.

A 9ª lição é: nada acontece por mero acaso. A cada momento difícil que enfrentar nos negócios, pergunte-se “o que devo aprender com isso para ter sucesso na próxima vez?”. Nunca culpe a situação, os colaboradores, a economia ou o governo. Não deixe que esses fatores o impeçam de ir mais fundo na questão. E o mais importante: o sucesso passado não é garantia de sucesso futuro.

10 – O seu melhor controle de qualidade reside nos clientes insatisfeitos.

Ao longo dos anos, Bill Gates fez várias toneladas de clientes insatisfeitos. Quem de nós nunca enfrentou a famosa “tela azul” bem no meio de uma tarefa extremamente importante?

Mas, o curioso é que apesar de tantos problemas, erros e reclamações, continuamos a usá-lo incansavelmente. As estatísticas mostram isso: o Windows está em nada menos que 82,5% dos computadores pessoais do planeta (percentual de agosto de 2011). A razão disso é simples e você vai concordar conosco: a Microsoft continua a responder ao feedback dos clientes e melhorar os seus produtos a cada nova versão. A atitude começa com o próprio Bill Gates: “Seus clientes mais insatisfeitos são sua maior fonte de aprendizado.”.

A 10ª lição é: nunca tome uma reclamação de um cliente como ofensa pessoal. Encare isso como uma forma barata de saber como melhorar seu produto ou serviço para que não tenha que ouví-la novamente. Por outro lado, se um cliente lhe apresenta um problema, existe uma probabilidade muito grande de outras pessoas o encontrarem também. Quanto mais popular o seu produto, maiores as chances disso acontecer. Se ignorar a reclamação dos seus clientes, pode ser que em determinado momento não tenha mais clientes para reclamar. A atitude correta é: ouça as reclamações com atenção, peça sugestões sobre como resolver o problema e conserte o defeito imediatamente. Isso demonstrará que realmente se preocupa com a satisfação do seu cliente e proporcionará excelência ao seu produto ao longo do tempo. E lembre-se: clientes satisfeitos compram sempre e de novo!

Muitas são as lições de negócios que aprendo não só com Bill Gates, mas também com outros ícones do mundo corporativo. Ler seus livros, estudar seus pensamentos, analisar suas decisões nos permitem crescer sem a necessidade de levar os mesmos tombos. Por isso, espero que aproveite bem tudo que este artigo pode fazer por você e seu negócio, seja ele do tamanho que for.

Gostaria também de saber das suas próprias experiências. Tem alguém em quem se espelha na condução dos seus negócios? Quais ensinamentos tem a compartilhar conosco? Opine!

Um forte abraço e até o próximo encontro!

Sugerimos também:

–x–

Se você acompanha e gosta dos nossos artigos, considere compartilha-los nas redes sociais!

Cláudio Corgozinho

Advogado, Conferencista Internacional, Facilitador em Treinamentos Empresariais, Empresário, Escritor, Life, Executive & Professional Coach, Problogger, idealizador do Mais Dinheiro No Seu Bolso.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *